avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Petinha-dos-campos
Anthus campestris
Discreta e pouco abundante, a petinha-dos-campos pode passar facilmente despercebida, contudo durante
a Primavera é relativamente fácil de encontrar nalgumas serras portuguesas.
Abundância e calendário
A petinha-dos-campos distribui-se um pouco por todo o país, mas
é geralmente pouco abundante. Frequenta zonas abertas, tanto nas
planícies alentejanas, como nas zonas mais elevadas das
principais serras. Durante as épocas de migração, ocorre
regularmente junto à costa, nomeadamente em estuários e junto a
certos cabos. Esta petinha é um visitante estival, que está presente
nas áreas de reprodução entre Abril e Setembro e pode ser vista
em migração até Outubro. Ocasionalmente é observada em pleno
Inverno, no litoral sul.
Onde observar

Pode ser vista em planície e em montanha, sendo os andares superiores das serras as zonas
onde é mais fácil encontrar esta petinha.

Entre Douro e Minhoa serra da Peneda é o melhor local para observar esta espécie.

Trás-os-Montesobserva-se com relativa facilidade na serra do Gerês e na serra de
Montesinho.

Litoral centro – a serra dos Candeeiros constitui o principal núcleo de ocorrência desta
petinha na região.

Beira interior – a serra da Estrela é talvez o melhor local do país para ver a petinha-dos-
campos; outros locais onde a espécie ocorre incluem a serra de Montemuro e a zona de
Vilar Formoso.

Lisboa e vale do Tejopouco comum, pode ser observada nas lezírias da Ponta da Erva
e, na passagem migratória, na zona do cabo Espichel.

Alentejo – pouco comum como nidificante, ocorre geralmente em densidades baixas;
pode ser vista na zona de Nisa, em São Cristóvão, na região de Évora, nas planícies de
Castro Verde e na zona do cabo Sardão.

Algarvepode ser vista sobretudo durante as passagens migratórias, sendo o cabo de
São Vicente o local mais favorável à sua observação.
Sabe quando chegam as primeiras
petinhas-dos-campos?
Veja as datas
aqui
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
Identificação
Esta petinha, que pela estrutura se assemelha a uma alvéola, caracteriza-se pela plumagem muito clara,
pela ausência de marcas no peito (adultos) e pela cauda bastante longa. As patas são rosadas. Pode
confundir-se com a
petinha de Richard, à qual se assemelha.