avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Pisco-de-peito-ruivo
Erithacus rubecula
Uma das mais conspícuas espécies da nossa fauna, o pisco-de-peito-ruivo destaca-se pela plumagem
chamativa e por cantar em qualquer época do ano, sendo o seu canto um dos mais bonitos dos nossos
bosques.
Abundância e calendário
durante a Primavera e o Verão é comum no noroeste do país,
diminuindo a sua abundância à medida que se avança para sul,
sendo escasso na maior parte do Alentejo.No Inverno, distribui-se
por todo o território, sendo então abundante, pois a população é
reforçada com a chegada de aves invernantes provenientes da
Europa Central e do Norte. Embora possa ser observado em
Portugal durante todo o ano, no sul do país as melhores
probabilidades centram-se no Outono e no Inverno, enquanto que
na metade norte, a Primavera é a melhor altura, especialmente
quando esta espécie está mais vocal.
Onde observar

É uma espécie típica de zonas arborizadas, desde bosques a parques e jardins, especialmente
das regiões mais húmidas. A sul do Tejo prefere as vertentes expostas ao norte dos vales e das
serras, embora nestas últimas regiões seja menos comum que a norte.

Entre Douro e Minhoabundante nesta região, particularmente em locais como a serra
da Peneda, a serra de Arga, as lagoas de Bertiandos e o estuário do Minho. Também
pode ser encontrado no Parque da Cidade do Porto e na zona de Guimarães.

Trás-os-Montesprefere as zonas serranas e menos secas desta região, podendo ser
observado em todas as serras da região (Gerês, Larouco, Montesinho, Coroa, Nogueira, e
Alvão). Ocorre também junto à albufeira do Azibo e no parque termal de Pedras Salgadas.

Litoral centro como nidificante ocorre no pinhal de Mira, no pinhal de Leiria e nas
imediações da ria de Aveiro (por exemplo em Estarreja-Salreu), assim como nas serras
de Aire, Sicó, Alvaiázere e Freita, podendo no Inverno ser visto também na lagoa de Óbidos.

Beira interiorna Primavera distribui-se sobretudo pelas zonas mais a norte desta
região, nomeadamente a serra de Montemuro, a serra da Estrela e as zonas de Celorico
da Beira e do Sabugal. Na Beira Baixa ocorre sobretudo como invernante, excepto na serra
da Gardunha, onde está presente todo o ano.

Lisboa e vale do Tejodurante a Primavera, pode ser observado nas serras de Sintra e
de Montejunto, assim como no cabeço de Montachique, na serra da Arrábida e na cidade
de Tomar. Durante o Inverno tem uma distribuição alargada, podendo ser visto com
frequência nas zonas verdes da cidade de Lisboa.

Alentejopouco comum como nidificante nesta região, pode ser visto durante a
Primavera na zona de Castelo de Vide, na serra de São Mamede e na serra de Grândola,
ocorrendo também em números reduzidos na zona de Montargil. No Inverno é abundante
em quase toda a região.

Algarveno período reprodutor, apenas ocorre nas encostas viradas a norte das serras
de Monchique e do Caldeirão, e dos vales das ribeiras de Odeceixe e de Aljezur, na costa
vicentina, mas a partir de Outubro é numeroso em toda a região.
Identificação
Facilmente reconhecido pela enorme mancha alaranjada que se estende da testa até ao peito, e que
contrasta enormemente com o abdómen branco e com o dorso e a nuca, acastanhados. Pousa
frequentemente no solo numa postura erecta, permitindo visualizar o seu padrão cromático.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites