avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Frango-d’água
Rallus aquaticus
Muitas vezes ouvido mas raramente visto, o frango-d’água é uma das aves mais secretivas da nossa
avifauna. A observação desta ave é um privilégio concedido aos mais pacientes.
Identificação
A combinação da plumagem azul por baixo e castanha por cima com o longo bico vermelho e as patas
vermelhas tornam esta ave inconfundível. Contudo, dado que as aves raramente se mostram, o frango-d’
água é mais frequentemente localizada pelas vocalizações – estas assemelham-se aos gritos de um suíno
e são ouvidas com mais frequência ao fim da tarde.

Abundância e calendário
Não sendo propriamente uma espécie rara, sendo até localmente comum, o frango-d’água é, contudo, uma
das espécies mais difíceis de observar. Tal fica a dever-se aos seus hábitos secretivos; a espécie frequenta
zonas de vegetação emergente muito densa, como caniçais e tabuais, que raramente abandona, o que
dificulta a sua observação e acentua a sensação de escassez. É uma espécie essencialmente residente,
que pode ser observada durante todo o ano.
Onde observar

As grandes zonas húmidas do litoral são os principais locais de ocorrência do frango-d’água,
embora a espécie também possa ser vista no interior.

Entre Douro e Minhoos estuários do Minho e do Lima são os locais que oferecem
melhores hipóteses de observação desta espécie.

Trás-os-Montesmuito raro na região, não se conhecem locais de ocorrência regular.

Litoral centro razoavelmente comum e bem distribuído besta região, pode ser
observado na ria de Aveiro (particularmente na zona de Salreu), na lagoa de Mira, nos
pauis do Baixo Mondego e na lagoa de Óbidos.

Beira interiorjá foi observado na albufeira de Santa Maria de Aguiar, onde poderá ser
regular.

Lisboa e vale do Tejoo estuário do Tejo, o paul do Boquilobo e a lagoa de Albufeira são
três bons locais para procurar este ralídeo, que tambem aparece na várzea de Loures e
nas salinas de Alverca.

Alentejoé a única região do país onde a espécie pode ser vista com regularidade no
interior, havendo muitas observações em pequenos açudes e valas com vegetação
emergente, por exemplo junto à lagoa dos Patos; além disso, observa-se no estuário do
Sado e na lagoa de Santo André.

Algarvedistribui-se pelas principais zonas húmidas da região, com destaque para a ria
de Alvor, o Ludo e o sapal de Castro Marim.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites