avesdeportugal.info
Visita:
O melhor local de observação situa-se junto ao
Moinho de Maré de Corroios. Este local é habitualmente
frequentado por inúmeras limícolas, especialmente durante a maré-baixa. Estre as espécies mais
habituais, são de referir: o
pernilongo, o alfaiate, a tarambola-cinzenta, o pilrito-comum, o
maçarico-de-bico-direito e o perna-vermelha-comum. Menos abundantes mas também regulares são o
fuselo, o maçarico-real, o perna-verde-comum e a rola-do-mar. Durante a passagem migratória são
frequentes os
maçaricos-galegos.
Para além das limícolas, são frequentes as gaivotas, particularmente o
guincho e a gaivota-d'asa-escura, e
ainda algumas aves aquáticas de grande porte, como a
garça-real, a garça-branca-pequena e o
corvo-marinho-de-faces-brancas. Com alguma frequência surgem aqui pequenos bandos de colhereiros.
Junto ao moinho de maré existem algumas zonas ajardinadas com árvores. Neste local são muito
frequentes os exóticos
mainás-de-crista, sendo este talvez o melhor local em Portugal para observar esta
espécie introduzida. Nas zonas circundantes ocorrem diversas especies de aves terrestres - entre as mais
frequentes sao de referir a
fuinha-dos-juncos, o chamariz e o andorinhão-pálido (este último junto às zonas
edificadas). Na Primavera observa-se igualmente o
abelharuco (em geral do lado da vizinha Quinta da
Princesa).

Saindo do moinho de maré e virando à direita, segue-se pelos arruamentos até encontrar um sinal para a
direita com a indicação "Ponta dos Corvos". O trajecto até este local tem cerca de 4 km por um caminho de
terra algo irregular (mas com acesso a automóveis). Logo após o início desse caminho, surge do laco
direito uma aquacultura, que merece uma pequena paragem para prospecção - entre as espécies que aqui
ocorrem incluem-se o
garajau-comum e, na Primavera, a andorinha-das-barreiras. Ao fim de mais um
quilómetro o caminho vira para a direita e prossegue ao longo de uma restinga arenosa, que se desenvolve
entre o rio Tejo (à esquerda) e o sapal de Corroios (à direita). Vale a pena ir fazendo pequenas paragens,
para procurar limícolas e outras aves aquáticas. No que respeita a aves terrestres, a variedade é reduzida -
entre as espécies mais habituais contam-se o
pintassilgo, o verdilhão e a gralha-preta.

A estrada termina na
Ponta dos Corvos, onde existe um pequeno café com esplanada, que convida a uma
paragem. A vista é ampla, vendo-se à direita o Seixal, em frente o Barreiro e à esquerda a cidade de Lisboa.
O
garajau-comum pode frequentemente ser visto a pescar neste local.


Melhor época: Outono e Inverno

Distrito: Setúbal
Concelho: Almada
Onde fica: na margem esquerda do rio Tejo, cerca de 4 km a sul de Almada. Para quem vem de Lisboa, o
melhor acesso é feito pela ponte 25 de Abril, seguindo as indicações para Almada e depois para Corroios.
Ao chegar a Corroios, dever virar-se à esquerda na direcçao de Miratejo, ate chegar ao Moinho de Maré, onde
é possível estacionar.


Caso pretenda conhecer outros locais para observar aves nesta região, sugerimos:
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Corroios
Situado entre Almada e o Seixal, o sapal de Corroios constitui um braço
do
estuário do Tejo. Apesar de se encontrar no meio de uma zona
fortemente edificada, é um bom local para observar diversas espécies
de aves aquáticas, com destaque para as limícolas.
Durante a maré-baixa emerge uma vasta zona de lodos que é frequentada por inúmeras aves aquáticas
Links externos

Cadernos de
Ornitologia
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites