avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Serra do Gerês
Repartida entre o Minho e Trás-os-Montes, a serra do Gerês integra o
único parque nacional existente em Portugal. Com os seus mais de
1500 metros de altitude máxima, esta serra alberga uma avifauna
interessante e variada, incluindo diversas espécies que não ocorrem
no resto do país, o que, em conjunto com as magníficas paisagens,
fazem com que este local seja de visita obrigatória para qualquer
observador de aves.
Para norte de Pitões, um caminho de terra (que pode ser percorrido de automóvel
durante um ou dois quilómetros) conduz às fragas da Fonte Fria, visíveis à
distância. Este percurso atravessa boas manchas de carvalhal e é excelente para
observar passeriformes, com destaque para a
felosa de Bonelli, que aqui é
bastante frequente. Outras espécies comuns ao longo deste percurso são: o
pisco-de-peito-ruivo, a toutinegra-de-barrete-preto, a felosa-ibérica e o
chapim-carvoeiro.
Melhor época: Maio a Julho

Distritos: Braga e Vila Real
Concelhos: Terras do Bouro e Montalegre
Onde fica: no noroeste do país, cerca de 50 km para nordeste de Braga. O acesso à parte ocidental é feito
através da N308-1 por Vilar da Veiga, enquanto que para a parte oriental se pode ir pela N103, que liga
Braga a Chaves, saindo em Covelães pela estrada de Tourém.
O planalto da Mourela é o melhor local em
Portugal para observar o picanço-de-dorso-ruivo
Os bosques de carvalho-negral são um habitat muito apreciado pela felosa de Bonelli
Perto de Pitões das Júnias, as zonas de mosaico agrícola são frequentadas pela escrevedeira-amarela
Para saber mais sobre as
aves da serra do Gerês,
carregue
aqui
Visita:
A parte mais interessante para o visitante é o Planalto da Mourela, situado na parte
oriental da serra, já na província de Trás-os-Montes. Neste planalto, situado a cerca
de 1200 metros de altitude, é relativamente fácil encontrar diversas espécies de
aves que são raras no resto do território português. A parte mais interessante
compreende o troço entre Pitões das Júnias e Tourém, onde praticamente não
existem árvores. O fio telefónico que acompanha a estrada é frequentemente
utilizado como pouso por
picanços-de-dorso-ruivo, que estão presentes na área de
meados de Maio a meados de Agosto. Outras espécies que podem ser vistas ao
longo desta estrada incluem a
laverca, a petinha-das-árvores, a alvéola-amarela, a
ferreirinha-comum, o melro-das-rochas, a sombria e ainda outras espécies mais
vulgares, como o
cartaxo-comum, a gralha-preta e o pintarroxo.

Ao fim de alguns quilómetros a estrada começa a descer fortemente, até chegar a
Tourém. Nesta zona é possível encontrar a rola-brava, o andorinhão-preto, o
papa-amoras e diversos outros passeriformes. Do outro lado da aldeia, a ponte
internacional atravessa a albufeira da Barragem de Salas, onde se pode observar o
mergulhão-de-crista, o pato-real e a andorinha-das-rochas.

Do lado sul do planalto da Mourela, merece também uma visita a estrada para
Pitões das Júnias. Ao longo desta estrada é possível encontrar paisagem agrícola
em mosaico, sendo este um dos melhores locais para observar a rara
escrevedeira-amarela. Outras espécies que aqui podem ser vistas incluem a
rola-brava, a cotovia-arbórea, o picanço-de-dorso-ruivo e o trigueirão.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
Caso pretenda conhecer outros locais para observar aves nesta região, sugerimos: