avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Montargil
Construída sobre a Ribeira de Sor, a Barragem de Montargil é um local muito
procurado por turistas que aqui vêm fazer desporto ou apenas acampar. Esta
zona suporta uma rica diversidade de aves terrestres e aquáticas, sendo por isso
um local a visitar por qualquer observador. A zona que envolve a barragem é
composta sobretudo por pinhais e montados de sobro, que suportam uma
grande diversidade de espécies florestais. Este é um dos poucos locais do país
onde se podem ver as cinco espécies de andorinhas.
Visita:
O paredão da barragem serve de ponto de partida para a exploração da zona. Neste local ocorrem duas
espécies de andorinhas: a
andorinha-dos-beirais e a andorinha-das-rochas. Por vezes ouve-se aqui a
trepadeira-azul.
A partir do paredão é possível seguir pela N2 para sul, na direcção de Mora. Ao fim de alguns quilómetros,
vira-se à esquerda na direcção de
Foros do Mocho. Esta zona, afastada da estrada nacional, é excelente
para observar aves, especialmente passeriformes. Na ponte sobre o braço da barragem vale a pena parar e
fazer um ponto de observação: aqui é possível ver a
andorinha-das-chaminés e a andorinha-das-barreiras,
bem como o
estorninho-preto e a gralha-preta. Alguns caminhos percorrem as zonas florestais envolventes,
onde é possível encontrar algumas das especialidades desta zona: o
rabirruivo-de-testa-branca, a felosa de
Bonelli e o papa-moscas-cinzento, entre diversas outras espécies mais vulgares. As galerias ripícolas
albergam um grande número de
rouxinóis-comuns.
Voltando ao paredão da barragem e passando a vila de
Montargil, pode virar-se à esquerda pela
estrada nacional
243
, na direcção de Foros do Arrão. Ao fim de um ou dois
km surge do lado direito se uma densa galeria ripícola
composta por salgueiros, que alberga espécies como o
pisco-de-peito-ruivo (pouco comum no Alentejo), o
rouxinol-bravo e a felosa-ibérica. Todas estas espécies
são fáceis de ouvir, mas difíceis de ver, pelo que é
necessária alguma paciência. Esta zona é também
frequentada pela
andorinha-dáurica e, um pouco mais
adiante, os pinhais ao longo da estrada albergam a
pega-azul.
Regressando à N2 e prosseguindo para norte, ao fim de cerca de 8 km, perto de Vale de Vilão, a estrada
volta a aproximar-se da barragem. Aqui obtém-se uma boa perspectiva do plano de água, fazendo deste um
dos melhores locais para observar aves aquáticas da albufeira. Entre as espécies que aqui podem ser
vistas incluem-se: a
garça-real, a garça-branca-pequena, o pato-real, o maçarico-das-rochas, e, por vezes,
algum casal de
mergulhões-de-crista. Os milhafres-pretos são a ave de rapina mais frequente neste local,
sendo frequentemente vistos a voar sobre o plano de água. Nos terrenos envolventes é frequente ver-se a
águia-calçada e o peneireiro-cinzento, este último especialmente ao fim da tarde.
Pode ainda prosseguir-se até
Ponte de Sor. Nesta cidade o local mais interessante é o jardim público junto
à ribeira de Sor, onde durante os meses de Maio e Junho podem ser facilmente vistos os
papa-moscas-cinzentos. Na margem da ribeira, junto à cascata, podem ver-se o
borrelho-pequeno-de-coleira, a alvéola-cinzenta e, por vezes, o bico-de-lacre.
O paredão da barragem permite obter uma boa perspectiva da albufeira e é um bom local de observação de andorinhas
A zona de Foros do Mocho é dominada por
bosques de sobreiros onde ocorrem aves florestais
As margens espraiadas da albufeira são favoráveis à ocorrência de diversas aves aquáticas, como garças e limícolas
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
Melhor época: Primavera (Março a Junho)

Distrito:Portalegre
Concelho: Ponte de Sor
Onde fica: No Alto Alentejo, cerca de 50 km a sueste de Abrantes e 20 km a sul de Ponte de Sor. Para quem
vem de Lisboa, pode seguir por Coruche e Mora, seguindo depois pela N2 até Montargil. Para quem procede
de Abrantes, basta seguir a N2 até Ponte de Sor e depois continuar para sul em direcção a Montargil.


Caso pretenda conhecer outros locais para observar aves nesta região, sugerimos: