avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Nisa
Entre o vale do rio Tejo e a Serra de São Mamede situa-se uma zona de
planície dominada por giestas e alguns carvalhais. Do ponto de vista
avifaunístico, esta zona é uma das mais ricas de todo o Alentejo e
merece bem uma visita, pois aqui ocorrem algumas espécies
interessantes.
Visita:
O concelho de Nisa é percorrido por uma vasta rede viaria, que permite visitar os vários habitats existentes
na zona. O principal eixo viario é a N18, que atravessa o concelho de norte para sul (ligando Vila Velha de
Ródão a Crato e Alter do Chão), ao passo que a N359 atravessa o concelho de oeste para leste.
Saindo de Nisa para sul pela já referida N18 e percorrendo 11 km chega-se à vila de
Alpalhão. Aqui existe
uma grande colónia de
andorinhas-dos-beirais, no depósito de água situado um pouco a sul do centro da
localidade. Também vale a pena procurar o
andorinhão-pálido, que nidifica muito perto do centro da vila.
Cerca de um quilómetro para leste, em direcção a Castelo de Vide (ao longo da N246), surgem à esquerda
dois postes de média tensão, feitos de cimento, que albergam uma pequena colónia de
gralhas-de-nuca-cinzenta. Neste local ocorrem igualmente a garça-boieira, o peneireiro-vulgar e a
pega-rabuda.
Para oeste de Alpalhão, seguindo pelo IP2 chega-se a
Gáfete (já no concelho do Crato). Aqui é possível
explorar as zonas de matos para norte, que são um excelente local para observar o
cuco-rabilongo e o
alcaravão. Com um pouco de paciência, poderá descobrir-se uma toutinegra-tomilheira a cantar no topo de
uma pequena giesta. Outras espécies fáceis de observar nesta zona incluem a
fuinha-dos-juncos, o
estorninho-preto e o trigueirão.
Voltando a Alpalhão, vale a pena tomar a estrada municipal 1176, que segue para noroeste. Ao longo deste
percurso é possível observar facilmente o
picanço-real, que pousa de forma conspícua nos fios eléctricos.
No Inverno, esta zona é frequentada por bandos de
abibes e por algumas tarambolas-douradas. que se
alimentam nos campos, por vezes a poucos metros da estrada. Ao fim de alguns quilómetros passa-se por
uma pedreira onde é frequente encontrar o
melro-azul. Finalmente, chega-se às Termas de Nisa. Este é um
local aprazível onde é possível observar aves tranquilamente, sem a contínua presença de carros. Os
bosques envolventes são dominados por sobreiros, azinheiras, carvalhos-negrais e alguns pinheiros. Entre
as espécies mais frequentes nestes bosques refiram-se o
tentilhão-comum, a trepadeira-azul e o gaio. Na
Primavera, os enormes eucaliptos situados junto ao edifício das antigas termas têm geralmente alguns
pardais-espanhóis.
Melhor época: Primavera (Março a Junho)

Distrito: Portalegre
Concelhos: Nisa e Crato
Onde fica: no norte alentejano, cerca de 50 km a leste de Abrantes. Para quem vem de Lisboa, deve tomar a
A23 até Fratel (km 77), continuando depois pelo IP2 na direcção de Portalegre. Alguns km depois de passar
a barragem de Fratel, vira-se à esquerda e toma-se a N364 ate Nisa.


Caso pretenda conhecer outros locais para observar aves nesta região, sugerimos:
Os matos de giestas existentes na zona de Gáfete são um bom local para procurar o alcaravão e o cuco-rabilongo
Para nordeste de Nisa sai a N359 que nos leva até Montalvão. A paisagem desta zona é dominada por
sobreirais pouco densos com vastos estevais, alternando com manchas de eucalipto. A densidade de aves
nesta zona é bastante baixa, mas podem ser encontradas algumas aves interessantes. Um dos melhores
percursos consiste em sair de Montalvão para nordeste, seguindo as indicações "rio Tejo". Alguns
quilómetros mais adiante, pode virar-se à esquerda até à capela de
Nossa Senhora dos Remédios - a
estrada conduz ate à capela, mas e possível prosseguir mais alguns quilómetros por um caminho
transitável, que atravessa sobreirais esparsos. Aqui ocorrem diversas aves características de zonas
florestais com clareiras, como a
poupa, a cotovia-arbórea, a tordoveia e a felosa-do-mato.
Voltando à estrada que sai de Montalvão em direcção ao Tejo, é possível prosseguir mais alguns
quilómetros até à
barragem de Cedillo. A travessia da barragem pode ser feita apenas ao fim-de-semana,
nao sendo permitida a paragem nem a circulação de peões, pelo que se sugere o estacionamento do lado
esquerdo da estrada, imediatamente antes do paredão.Neste local é habitual ver-se a
alvéola-cinzenta e,
durante o Inverno, alguns
corvos-marinhos-de-faces-brancas.
Junto às termas de Nisa existem bosques mistos de carvalhos, sobreiros e azinheiras, onde ocorre a trepadeira-azul
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites