avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Maçarico-bique-bique
Tringa ochropus
O chamamento trissilábico de um maçarico-bique-bique em fuga é muitas vezes o primeiro sinal da
presença desta espécie.
Identificação
O uropígio branco, contrastando com o dorso e as asas pretas tornam este maçarico relativamente fácil de
identificar. O bico e as patas são esverdeados. Quando está pousado assemelha-se vagamente ao
maçarico-das-rochas, distinguindo-se pelo maior tamanho, pela plumagem mais escura e pela ausência de
reentrância branca no peito. Pode confundir-se com o
maçarico-bastardo, do qual se distingue pela
ausência de pintas brancas no dorso e pela contra-asa escura.

Abundância e calendário
Pouco abundante mas bem distribuído, pode ver-se um pouco por todo o território, tanto em zonas de água
doce (barragens, açudes e ribeiros) como em áreas de água salobra. Geralmente solitário, embora por
vezes forme pequenos bandos. Pode ser visto em Portugal durante quase todo o ano, excepto num curto
período de dois meses durante a Primavera: a partir de meados de Junho as observações tornam-se
regulares, sendo esta uma das primeiras limícolas a regressar do norte da Europa.
Onde observar

Qualquer zona húmida costeira ou de interior é favorável à observação desta espécie.

Litoral centro - aparece na zona de Estarreja-Salreu; por vezes também se observa na
lagoa das Braças.

Beira interior - a sua ocorrência nesta região encontra-se mal documentada, observa-se
por vezes junto à albufeira de Vilar e à albufeira da Marateca.

Lisboa e Vale do Tejo – observa-se regularmente na várzea de Loures, na Ponta da Erva
(estuário do Tejo) e no paul da Barroca.

Alentejo – na metade litoral pode ser visto com relativa facilidade no estuário do Sado e na
lagoa de Santo André. Mais para o interior, ocorre junto a barragens e açudes, sendo
regular junto à barragem da Póvoa e na zona de Alter do Chão. Pode também ser visto na
zona de Barrancos.

Algarvequalquer zona húmida junto ao litoral é favorável à observação desta espécie,
nomeadamente a ria de Alvor e o sapal de Castro Marim. Por vezes este maçarico surge
na pequena lagoa das Dunas Douradas e no estuário do Arade.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites