avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Coruja-das-torres
Tyto alba
O súbito aparecimento do vulto branco da coruja-das-torres,
acompanhado do seu grito selvagem, pode assustar um observador
desprevenido.

Identificação
Esta coruja de média dimensão é facilmente identificada pela brancura
da sua plumagem.
Quando está pousada, chama a atenção a sua face branca, em forma de
coração, contrastando com as asas cinzentas e alaranjadas, mas em
voo, a plumagem predominantemente branca dá-lhe um aspecto algo
fantasmagórico.
Abundância e calendário
A coruja-das-torres é residente e esta presente em
Portugal durante todo o ano.
Ocorre frequentemente nas imediações de edifícios,
habitados ou não, preferindo aqueles que têm aberturas ou
cavidades, que possam ser usados como local de repouso
e nidificação. Aprecia assim velhos celeiros, edifícios em
ruínas, campanários e até velhas estações de
caminho-de-ferro. Para se alimentar, frequenta terrenos
agrícolas.
Esta espécie é mais abundante na metade sul do país,
sendo relativamente rara nas zonas de maior altitude.
Onde observar

Esta coruja é estritamente nocturna e só sai para caçar depois de caída a noite. Durante o dia, as
corujas permanecem nos seus refúgios. Assim, a melhor hora para procurar esta rapina
nocturna será pelo menos uma hora depois do pôr-do-sol.

Entre Douro e Minhodistribui-se um pouco por toda a região.

Trás-os-Montespode ser vista no Douro Internacional.

Litoral centro razoavelmente comum, observa-se por exemplo em São Martinho do
Porto.

Beira interiorpouco abundante, as zonas onde pode ser vista com mais facilidade são
a região de Figueira de Castelo Rodrigo e o Tejo Internacional.

Lisboa e vale do TejoOs terrenos agrícolas do estuário do Tejo (conhecidos como
lezírias da Ponta da Erva) são um dos locais onde a espécie é mais abundante e fácil de
observar, especialmente de Julho a Novembro, tendo já sido regstada a presença de
mais de 100 corujas-das-torres nesta área. Também ocorre na serra da Arrábida e na
cidade de Lisboa.

Alentejobastante comum nesta parte do território, pode ser vista junto a quase todas as
vilas e aldeias, nomeadamente nos centros históricos das localidades de média
dimensão. Alguns dos locais onde a presença desta coruja é habitual incluem o estuário
do Sado, a zona de Castro Verde e a região de Alpalhão.

Algarvepouco abundante na região, observa-se esporadicamente na ria de Alvor e
também na cidade de Faro.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites